É com profundo pesar que o Conselho Estadual de Educação de Sergipe (CEE/SE) lamenta pelo falecimento da professora Maria Hermínia Caldas, 94 anos, ocorrido nesta terça-feira, dia 03 de outubro, em Aracaju. A educadora muito contribuiu para o ensino sergipano e deixa um legado significativo para o serviço público sergipano, especialmente no campo da Educação.

Sobre Hermínia Caldas

Natural de Propriá, nascida em 1945, aos 13 anos, mudou-se para Aracaju a fim de estudar no Colégio Nossa Senhora de Lourdes. Naquela época, o sonho era estudar Medicina, mas ainda não havia esse curso no Estado. Em 1952, ingressou na Faculdade Católica de Filosofia, no curso de Línguas Neolatinas. Antes mesmo de formar-se já ensinava na unidade escolar em que estudou. Colou grau no dia 15 de dezembro de 1955.

A professora Hermínia Caldas ingressou no serviço público dedicando-se à docência no dia 1° de março de 1956, no Colégio Nossa Senhora de Lourdes, na Escola Normal, no Colégio Estadual Atheneu Sergipense, na Escola Tiradentes e no Instituto de Educação Rui Barbosa. Também trabalhou em Pré-vestibulares e lecionou Língua Portuguesa e Literatura, Francês, Espanhol, Latim, Psicologia e Pedagogia.

Em 1969, a convite da Associação dos Professores Licenciados do Brasil, secção Sergipe, foi trabalhar na Secretaria de Estado da Educação, onde ajudou a implantar o Departamento de Ensino Médio. Em 1975, decidiu retornar para a Escola Normal e quatro anos depois foi para a Seduc, onde passou a trabalhar na Coordenação de Moral e Cívica. Por esse motivo, a educadora é uma referência nas atividades da Semana da Pátria e do Sete de Setembro.

A educadora Maria Hermínia Caldas organizou os famosos desfiles cívicos de 7 de setembro na capital sergipana no período de 1979 até 2014.

“Professora Hermínia é uma grande referência para todos aqueles que amam a educação. Ela foi responsável pela formação de muitos profissionais que brilham no magistério sergipano, sempre mirados nos seus exemplos de amor, compromisso, responsabilidade, ternura e alegria. A Professora Hermínia acreditava no poder transformador da educação, e seu legado estará sempre vivo em todos os corações, em todas as gerações”, afirma, emocionado, o secretário de Estado de Educação e da Cultura, Zezinho Sobral.

Dentre tantas homenagens feitas em vida, a Seduc Sergipe inaugurou no dia 13 de maio de 2013 o Auditório Professora Maria Hermínia Caldas, na sede da instituição, um dos espaços mais quisitados e utilizados por professores, alunos e comunidades escolares.

Professora Hermínia Caldas também foi poetisa, autora de projetos consistentes nas áreas social e educacional. Foi uma das pioneiras da Nova Hora Literária que, mais tarde, tornou-se Academia Literária de Vida – ALV.

Publicou mais de 10 livros, entre ficção, poesia, literatura infantil, educacional, entre eles “Vultos da História da Educação em Sergipe”, além de diversas apostilas e publicações de Educação Moral e Cívica.

“Professora Hermínia era uma personalidade na educação, pessoa bastante respeitosa, prestativa e que sempre andava de mãos dadas com todos os setores para dar assistência às escolas sergipanas na capital e no interior. Fez parte da história de vida de muitos professores sergipanos”, diz Eliane Passos, diretora do Departamento de Apoio à Educação (Dase).

A despedida da professora Maria Hermínia Caldas será no OSAF, rua Itaporanga, a partir das 15 horas. O sepultamento acontecerá nesta quarta-feira, dia 4, às 11 horas, no Cemitério São Benedito, em Aracaju.

*Com informações da Seduc/SE

Related Articles