Em evento bastante concorrido, nesta segunda-feira (17), o Conselho Estadual de Educação (CEE) de Sergipe concedeu ao professor José Fernandes de Lima o Diploma de Honra ao Mérito Educacional. A solenidade de outorga aconteceu no Palácio Museu Olímpio Campos.

 

A indicação do nome do José Fernandes foi aprovada por unanimidade pelo o CEE e justificada pelos relevantes serviços prestados pelo homenageado à educação em Sergipe. O ato de entrega do diploma foi feito pela secretária estadual da Educação, Hortência Maria Pereira Araújo, a pedido da presidente do CEE, Eliana Borges. A secretária ressaltou a importância do homenageado para a educação sergipana e se disse honrada em entregar o diploma. Por sua vez, Eliana Borges referendou o nome de Lima como de indubitável merecedor da honraria. “É uma justa homenagem, esta que prestamos com a maior alegria e sensação de dever cumprido”, afirmou Eliana.

 

Em seu discurso de agradecimento, José Fernandes comentou sobre o que para ele representa receber a homenagem do CEE. “Fico imensamente feliz, também por saber que o reconhecimento vem de uma Casa tão importante e distinta, como é o Conselho Estadual de Educação de nosso Estado”, ressaltou o homenageado.

 

A Conselheira Ana Lúcia Souza, representando o CEE na propositura do nome de Lima, discorreu sobre a carreira do homenageado. “Um nome consagrado, como é o do professor José Fernandes de Lima, deve ser lembrado sempre quando o assunto é educação. Estamos todos muito felizes”, reafirmou Ana Lúcia.

 

No caminhar da cerimônia, o reitor da Universidade Tiradentes, Jouberto Uchôa, pediu a palavra e enriqueceu a solenidade com narrações de passagens da vida do diplomado. O evento foi também abrilhantado pela apresentação da cantora e professora Célia Gil, que fez a primeira voz no tocar do Hino Nacional e contemplou o público com outras canções, em um  momento de congraçamento e descontração, acontecido após a cerimônia.

 

Além de conselheiros e servidores do CEE, amigos e familiares do homenageado compareceram à solenidade. A mesa cerimonial foi formada pela secretária Hortência Maria, representando o governador Jackson Barreto; o juiz Anselmo Oliveira, representando do Tribunal de Justiça; o deputado Franscisco Gualberto, representando a Assembléia Legislativa; o presidente do Tribunal de Contas de Sergipe, Carlos Pinna; além da presidente do CEE, Eliana Borges.

 

Discurso da Conselheira Ana Lúcia Souza

 

Boa noite Senhoras e Senhores!

Em nome da Secretária de Estado da Educação, Professora Hortência Maria Pereira Araújo, cumprimento a mesa e todas as autoridades aqui presentes.

Em nome da Presidente do Conselho Estadual de Educação, Professora Eliana Borges de Azevedo, e do  estimado amigo Almiro Oliva Alves, saúdo todos os Conselheiros e Técnicos do Conselho Estadual de Educação, os Diretores e Técnicos da Secretaria de Estado da Educação e demais presentes.

               

           José Fernandes de Lima, nosso querido Professor  Lima, nasceu na cidade de Maceió, estado de Alagoas, em 7 de fevereiro de 1949, único filho de Auta de Lima.  

Foi criado em Fernão Velho, um distrito industrial localizado nas proximidades de Maceió, próximo à Lagoa de Mundaú, hoje um dos bairros mais antigos de Maceió.

O desenvolvimento desse lugar esteve ligado por mais de um século à Fabrica Têxtil chamada Carmem, a primeira de Alagoas, fundada em 1857. Tudo em Fernão Velho girava ao redor da Fábrica Têxtil, a qual  seguia o modelo das fábricas inglesas e assegurava aos empregados residência, serviço médico e escolas para seus filhos.

Isso permitiu que o menino Zé Fernandes tivesse acesso à escola, naquela época denominada Jardim de Infância, desde os quatro anos de idade, posto que sua mãe Alta de Lima trabalhava na Fábrica Carmem.

O menino Zé Fernandes cursou a escola primária também em Fernão Velho, no Colégio São José. Em Fernão Velho não havia Ginásio, mas Zé Fernandes teve sorte, porque quando ele estava terminando o curso primário foi criado um ginásio num povoado próximo ao Distrito Têxtil, chamado Tabuleiro de Martins. Após ter sido aprovado no exame de admissão foi matriculado no Ginásio Santa Luzia, que funcionava no turno da noite.

Mesmo sendo ainda uma criança estudando no curso noturno, no meio de adultos, Zé Fernandes conseguia se destacar como um bom aluno, notadamente na disciplina de matemática.

Esse destaque lhe valeu a oportunidade de se tornar professor, de modo que quando estava cursando a oitava série substituía os professores nas suas ausências, indo na contra mão do que era comum entre os residentes em Fernão Velho, visto que naquela época, as fábricas de tecido tinham uma grande importância econômica, sendo a principal referência de trabalho   para os jovens, que seguiam os passos dos seus pais e familiares.

O Ensino Médio foi cursado no Colégio Agrícola Floriano Peixoto, localizado em Setuba, povoado da Região Metropolitana de Maceió, elevado à condição de município em 1960. Era um colégio interno voltado para o Ensino Técnico Agrícola.

            Quando estava terminando o terceiro ano do Ensino Técnico, Zé Fernandes fez o exame de suficiência e adquiriu a autorização para lecionar.

            Em 1970, foi aprovado no vestibular para Licenciatura em Ciências, modalidade matemática, na Universidade Federal de Alagoas.    Nesse mesmo ano, foi admitido como professor de Ciências na Escola Técnica Federal  de Alagoas e na Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas.

              Para a maioria dos brasileiros, ter uma estabilidade profissional  já seria suficiente para sua vida, mas o Professor Lima queria alçar novos vôos, tinha projetos acadêmicos audaciosos para sua vida, e, alimentado pela determinação e perseverança, seguiu em frente, batalhando, arriscando, lutando para a realização dos seus sonhos.

 

            Em 1971, pediu demissão da Escola Técnica e obteve licença  da Secretaria Estadual de Educação e foi fazer o curso de Licenciatura em Ciências do Pré-mem, em Recife, no Centro de Ensino de Ciências do Nordeste – CECINE.

No final de 1972, retornou à Maceió, lecionou no Colégio Estadual Moreira e Silva e, em fevereiro de 1973, voltou à Recife para fazer o curso de Bacharelado em Física, o qual foi concluído em 1978.

Durante o período de 1973 a 1979, lecionou em várias escolas públicas e privadas de Educação Básica, em Recife, inclusive nos cursinhos preparatórios para o vestibular.

Em 1980, prestou concurso para o Departamento de Física da Universidade Federal de Sergipe.  Obteve a primeira colocação e foi empossado como professor da UFS em abril de 1980.

Em 1982 casou-se com Maria José Gomes de Lima, a querida Zezé, sua grande companheira, com quem teve três filhos, Manuela, Camila e Leonardo, os quais têm em seu pai o exemplo de dignidade, honestidade, determinação e companheirismo, um grande incentivador do sucesso dos filhos. 

Em 1984, mudou-se para São Paulo com o propósito de fazer o mestrado no Instituto de Física da USP.

Concluiu o mestrado em 1987 e no mesmo ano foi aceito no doutorado, tendo concluído essa nova etapa em 1991.

Em 1991, retornou à Aracaju e iniciou a montagem do laboratório de pesquisa denominado LPCM – Laboratório de Preparação e Caracterização de Materiais, que serviu como âncora para a instalação do curso de mestrado em física e depois para o doutorado.

Em 1992, tornou-se chefe do Departamento de Física e coordenou o crescimento e fortalecimento desse Departamento no período de 1992 a 1994.

De 1994 a 1996, foi presidente da FAPESE – Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão, da Universidade Federal de Sergipe, entidade a que foi relator da sua criação.

 

 

Em 1996, foi eleito reitor da Universidade Federal de Sergipe-UFS e em 2000 tornou-se o primeiro reitor a ser reeleito daquela instituição, permanecendo à frente da UFS por oito anos. Simultaneamente foi Vice-presidente da ANDIFES (Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior) e Presidente do Conselho de Administração do Instituto de Desenvolvimento Científico da Região de Xingó – O Instituto Xingó.

Nesse período, ampliou significativamente o número de alunos e de cursos, bem como melhorou o índice de qualificação docente da Universidade. Além disso, a UFS desenvolveu uma grande aproximação com a sociedade e teve uma participação muito ativa nas decisões sobre o futuro político do estado.

Através do Programa Pensar Sergipe, apresentou várias sugestões de políticas públicas para o Estado. Dentre as políticas desenvolvidas, destacamos a política de formação de professores feita com o PQD – Programa de Qualificação Docente.

No final de 2004, no dia seguinte à transmissão do cargo, deslocou-se para Brasília para assumir a função de Diretor de Programas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) do Ministério da Educação. Desempenhou a função de Diretor da CAPES até o dia 31 de dezembro de 2006, quando oficializou seu afastamento, com o propósito de retornar à Aracaju para assumir o cargo de Secretário de Estado da Educação, a convite do Governador Marcelo Deda, um grande desafio em sua vida profissional.

Ainda em 2006 ocupou o cargo de Reitor Pró-tempore da Universidade Federal do ABC, instituição que ajudou a formatar, na qualidade de membro da Comissão de Implantação.

Foi Secretário de Estado da Educação de Sergipe de janeiro de 2007 a junho de 2010. Nesse período, a Secretaria de Estado da Educação criou um projeto para a educação de Sergipe (o PDE-Sergipe), destacando o aluno como foco das discussões.

 

 Retomou o planejamento da educação, investiu fortemente em tecnologia com a implantação de laboratórios nas escolas, e implantação de Sistemas de Gerenciamento (Acadêmico, de pessoal e de gestão estratégica), iniciou as aquisições e doações aos municípios de 150 ônibus do Programa Caminho da Escola em parceria com o MEC, implantou as primeiras escolas de Educação Profissional (retomou a construção de 2 unidades, iniciou a construção de outras 3 escolas com recursos do BNDES/SERGIPE CIDADES e conveniou mais 5 unidades com o MEC/FNDE/BRASIL PROFISSIONALIZADO). Manteve um programa de alfabetização de adultos, que alfabetizou 130 mil pessoas, e iniciou o programa de reforma das escolas estaduais dentro de um novo padrão de qualidade (Padrão mínimo), reformando 83 unidades escolares, inclusive com mobiliários padronizados pelo MEC.

As reformas, as ampliações e as construções de escolas foram possíveis porque o então Secretário captou mais de 140 milhões de reais do Ministério da Educação.  É bom frisar que tanto na Universidade Federal de Sergipe quanto na Secretaria de Estado da Educação, o gestor José Fernandes de Lima é reconhecido por ter sido um grande captador de recursos.

Dentre as ações realizadas em sua gestão na SEED destacamos o grande apoio que concedeu ao Conselho Estadual de Educação. Com seu olhar visionário possibilitou a plena composição desse Colegiado resgatando o equilíbrio entre as representações.

 Notável decisão também pode ser constatada quando da indicação de técnicos da SEED para composição deste Colegiado no ano de 2008, valorizando e reconhecendo o trabalho dos servidores da casa, concedendo-lhes “pernas, braços e asas” para uma maior efetividade nas ações atinentes ao Conselho.

 

Destacamos, também, a grande contribuição para o fortalecimento desse Colegiado, no empreendimento de ações decisivas como a garantia de infra estrutura para a realização das visitas às escolas do interior do estado, para fins de autorização, renovação ou reconhecimento da oferta dos diversos níveis e modalidades de ensino da Educação Básica, bem como o início dos procedimentos administrativos para o aluguel de prédio para sediar este Conselho, ação concretizada no segundo semestre de 2010, na gestão do Secretário Belivaldo Chagas da Silva  e  desta Conselheira, enquanto presidente do Conselho Estadual de Educação.   

Desde 2008, Zé Fernandes, também conhecido como Professor Lima, é membro do Conselho Nacional de Educação (CNE), após indicação de sete entidades  educacionais e científicas nacionais. De julho de 2012 a julho de 2014, ocupou a presidência daquele Colegiado, eleito por seus pares por unanimidade.

No CNE, foi Conselheiro relator das Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio e, na condição de presidente, promoveu a aproximação daquele órgão com a sociedade, notadamente com os Conselhos Estaduais e Municipais de Educação de todo país. Nesse sentido, a convite e em parceria com este Colegiado, realizou no ano de 2013, em Aracaju, a Reunião Ampliada do Conselho Nacional de Educação.

O Professor Lima, pesquisador, estudioso das ciências, também é escritor,  autor de quatro livros, com mais de 30 trabalhos publicados em revistas científicas internacionais.

Sua personalidade amigável, simples, carismática e agregadora, sempre atencioso com os amigos e colegas de trabalho, aberto ao diálogo, atento às necessidades das instituições que gerenciou, lhe renderam o reconhecimento de todos do seu convívio. É professor honoris causa pela Universidade do Norte do Paraná e já recebeu diversas condecorações, dentre elas: O título de cidadão Honorário do Estado de Sergipe, Cidadão Aracajuano, Cidadão Lagartense, Cidadão São Cristovense, Cidadão Barra dos Coqueirense e Cidadão Aquidabanhense.

 

 Recentemente, no dia 14 de novembro, foi homenageado pelo Departamento de Direito da Universidade Federal de Sergipe em reconhecimento aos serviços prestados a esse Departamento no período em que foi reitor da UFS.

Em reconhecimento a essa trajetória profissional, pelos feitos sucintamente relatados nesta oportunidade, apresentamos seu nome para apreciação dos colegas Conselheiros, e aqui agradecemos a todos os pares pela aprovação da propositura.

         José Fernandes de Lima, sua história de vida nos remete ao  pensamento do consagrado escritor José de Alencar: “O sucesso nasce do querer, da determinação e persistência em se chegar a um objetivo. Mesmo não atingindo o alvo, quem busca e vence obstáculos, no mínimo fará coisas admiráveis.”              

Pois bem, José Fernandes de Lima,  menino Zé Fernandes,  professor Lima,  avô de Maria Flor, hoje temos a oportunidade de conhecer sua linda história de vida, exemplo para todos os Josés e Marias desse país, seja como excelente chefe de família, querido pelos amigos e familiares, ou como referência de profissionalismo e determinação, reconhecido nacionalmente pelos feitos como educador e gestor.  É com orgulho que o Conselho Estadual de Educação de Sergipe lhe presta essa homenagem lhe condecorando com o Diploma Honra ao Mérito Educacional.

 

Parabéns Professor Lima, o senhor é um desbravador da sua própria vida.

 

             

           Palácio Museu, Aracaju, 17 de novembro de 2014

 

 

 

                 Ana Lúcia Lima da Rocha Muricy Souza

                           Conselheira do CEE/SE

 

 

 

Related Articles